Home»Cotidiano»Mata Santa Genebra passa a sediar o primeiro Centro de Educação Ambiental

Mata Santa Genebra passa a sediar o primeiro Centro de Educação Ambiental

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+
Os Centros de Educação Ambiental (CEA) têm por objetivo construir uma cultura da sustentabilidade com a participação de jovens e crianças, alunos das escolas públicas e particulares – Foto: Renato César Pereira

A Mata Santa Genebra passa a oferecer a toda a população de Campinas atividades permanentes sobre meio ambiente, com destaque para a fauna e a flora do local. A área verde é remanescente da Mata Atlântica, bioma que será abordado nas atividades, assim como os corredores ecológicos, contribuindo para a preservação da biodiversidade local.

As atividades serão realizadas pelo Centro de Educação Ambiental (CEA), que foi entregue na tarde desta quinta-feira, 12 de abril pelo prefeito de Campinas, Jonas Donizette. O prefeito deu início às atividades e, no mesmo evento, inaugurou o refeitório e o vestiário para os funcionários.

Segundo o prefeito, outros seis CEAs serão implantados na cidade até 2020, de acordo com o Plano de Educação Ambiental proposto pela lei 15.440, de junho de 2017. Os próximos dois Centros, previstos para serem inaugurados ainda este ano, ficarão localizados no Bosque dos Jequitibás e na Estação Ambiental de Joaquim Egídio.

Os Centros de Educação Ambiental (CEA) têm por objetivo construir uma cultura da sustentabilidade com a participação de jovens e crianças, alunos das escolas públicas e particulares. Também estarão envolvidos os professores e a população em geral. A Mata teve um projeto de educação ambiental desenvolvido especificamente para o local, no qual haverá uma equipe formada por responsável técnico e educadores.

O CEA é um trabalho conjunto da Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável com a Fundação José Pedro de Oliveira, envolvendo as Secretarias de Educação; Cultura; Serviços Públicos; Desenvolvimento Econômico e Turismo; Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos; e a diretoria estadual de Ensino.

Sinval Dorigon, presidente da Fundação José Pedro de Oliveira, gestora da Mata de Santa Genebra, disse que vai ampliar o número de visitas das escolas à Mata Santa Genebra. “Queremos mostrar aos jovens e crianças, alunos das escolas, a importância da biodiversidade que temos na Mata, para todas possam crescer com isso no coração”, afirmou.

A Mata já desenvolve, desde 1997, outras atividades de educação ambiental como visita monitorada aberta à comunidade, visita monitorada de escolas e entidades, Ecoférias e Fotógrafos da Mata de Santa Genebra.

Segundo Sinval Dorigon, a Mata Santa Genebra recebeu a visita de 11 mil pessoas em 2017. Para agendamento de visitas, as pessoas devem entrar em contato com a Fundação pelo telefone 3749-7200.

Sobre a Mata Santa Genebra

Com 251 hectares, a Mata Santa Genebra é uma das maiores reservas de floresta tropical em área urbana do Brasil e o maior fragmento florestal de Campinas e da Região Metropolitana. De grande importância para a conservação da biodiversidade, a Mata Santa Genebra é administrada de acordo com o termo de doação da área, que restringe seu uso a atividades educativas, de pesquisa científica e de conservação.

A região da Mata se localizava na Fazenda Santa Genebra, de propriedade do Barão Geraldo de Resende. Parte do patrimônio do Barão ficou para a família José Pedro de Oliveira, que preservou, intactos, cerca de 100 alqueires da Mata.

Em 1981, a área foi doada para Campinas com a condição de que se criasse uma Fundação para mantê-la. Outra exigência foi que a Mata só pertenceria à cidade enquanto se mantivesse de pé, como área verde.

A Mata Santa Genebra foi tombada em 1983 como patrimônio natural pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). Em 1985 foi declarada Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie).

Foi tombada novamente como patrimônio natural pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Artístico e Cultural de Campinas (Condepacc), em 1992. É subordinada ao Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

Post Anterior

Embrapa e prefeitura de Campinas assinam convênio para ampliar ações de saneamento rural

Próximo Post

INSS: 94 mil convocados têm até hoje para agendar perícia que revisa benefício

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *