Home»Cinema»O ladrão de livros e os receptadores anônimos

O ladrão de livros e os receptadores anônimos

0
Shares
Pinterest Google+

Cartas para um Ladrão de Livros

(Brasil, 2018, 94 min.)

Direção de Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini

 

Em Cartas para um Ladrão de Livros, os diretores Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros lidam com o desafio de um personagem sedutor. Laéssio Rodrigues de Oliveira, considerado pela polícia o maior ladrão de obras raras do País, começou a atividade para alimentar uma coleção de fotos e revistas sobre Carmem Miranda. Logo descobriu que podia alçar outros voos e começou a dar desfalques nos em geral descuidados acervos históricos do País.

O protagonista de “Cartas para um Ladrão de Livros”, Laéssio Rodrigues de Oliveira

O próprio Laéssio se incumbe de fornecer contrapontos ao espectador. Egocêntrico e vaidoso demais, suas noções sobre o patrimônio público, como algo a ser expropriado para que outras mãos o tratem melhor, são deploráveis.

O mais interessante é que tudo se revela, menos a identidade dos receptadores das obras furtadas por Laéssio. Provavelmente grandes nomes da indústria e das finanças, que adoram colecionar livros e objetos de arte, permanecem ao abrigo da polícia, da Justiça e da indiscrição pública. E do próprio filme. Assim é o Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Previous post

Antidepressivos funcionam, segundo o maior estudo sobre sua eficácia

Next post

Dos clássicos aos temas atuais, MIS apresenta filmes de diversos gêneros

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *