Home»RMC»Prefeitura de Hortolândia faz terraplenagem para obra de cabeceira da Ponte Estaiada

Prefeitura de Hortolândia faz terraplenagem para obra de cabeceira da Ponte Estaiada

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+
Serviço faz parte da construção da estrutura que dará acesso à Ponte – Foto: Divulgação/PMH

 

A Prefeitura de Hortolândia realiza  topografia e terraplenagem no local onde está em construção a cabeceira da Ponte Estaiada. A estrutura possibilitará o acesso de veículos à ponte, pelo Jd. Santa Rita de Cássia. A obra consiste em uma rampa, de cerca de 84 metros, desde a rua José João da Silva, no Jd. Santa Rita de Cássia, até o início da ponte. O serviço está orçado em R$ 2.875.116,33 e deve ser executado em seis meses. De acordo com a Secretaria de Obras, além da rampa de acesso, a estrutura terá, nas laterais, ciclovia e calçamento para travessia de pedestres.

Este é o serviço que cabe à Prefeitura entre as ações necessárias para colocar a Ponte Estaiada para funcionar. As obras viárias a partir da outra extremidade da ponte, no Jd. Novo Ângulo, é responsabilidade do Governo do Estado, uma vez que a estrutura fará parte do traçado do Corredor Metropolitano Noroeste “Vereador Biléo Soares”.

O projeto para construção da ponte teve início em 2011, na gestão anterior do prefeito Angelo Perugini. “Estamos retomando as obras da ponte estaiada com muito planejamento para colocá-la para funcionar o mais rápido possível. Esse é o nosso compromisso com a população que pede que a ponte entre em operação logo”, disse Perugini, em setembro, quando a Prefeitura finalizou a licitação para escolha da empresa que realiza a obra.

A Ponte Estaiada tem 700 metros de extensão, 16,9 metros de largura e 75 metros de altura. A estrutura está localizada entre o Jardim Santa Rita de Cássia e o Jardim Novo Ângulo. Quando puder ser utilizada, vai integrar as regiões Leste e Oeste da cidade. Além de ser cartão postal do município, a Ponte Estaiada também evitará que o trânsito regional que seguirá pelo Corredor Metropolitano entre em conflito com o tráfego local, desafogando a avenida da Emancipação. Isso porque o projeto inicial do Corredor Metropolitano previa que a partir da avenida Olívio Franceschini, o trajeto regional seguisse pela avenida da Emancipação até a SP-101, via importante para a fluidez do tráfego local.

Corredor Metropolitano

A obra de continuidade do Corredor Metropolitano Noroeste Vereador Biléo Soares é uma ação de responsabilidade da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), que inclui a construção do acesso pela outra extremidade da ponte, na Avenida Projetada, localizada no Jardim Nova América, na região do Jardim Novo Ângulo, entre outras intervenções viárias necessárias para ligar a ponte até a SP-101, por meio da via expressa de ônibus. A licitação foi lançada em agosto e a previsão do Estado é de que as obras comecem em 120 dias.

O projeto do Corredor Metropolitano prevê obras em um trecho de 4,8 quilômetros que liga Hortolândia, Sumaré e Campinas. No perímetro de Hortolândia, o serviço compreende obras a partir da Ponte Estaiada, passando pelo Jardim Nova América, até chegar à rodovia SP-101, na entrada do Jardim Boa Vista, próximo ao presídio, onde será implantado o novo trevo de acesso à cidade, no quilômetro cinco da rodovia. Também estão previstas duas alças de acesso à rodovia SP-101 sobre a ferrovia, além de duas estações de transferência, uma no Jd. Rosolen e outra no Parque Peron.

Post Anterior

Ponte Preta empata com o Coritiba e segue na zona de rebaixamento do Brasileirão

Próximo Post

Serra da Barriga, em Alagoas, é declarada patrimônio cultural do Mercosul

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *