Home»Geral»Unicamp aprova corte em gratificação a professores

Unicamp aprova corte em gratificação a professores

0
Shares
Pinterest Google+
O reitor Marcelo Knobel afirma que a medida vai levar a uma economia de R$ 15 milhões ao ano – Foto: Antonio Scarpinetti/Unicamp

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aprovou o corte de 30% nos valores de todas as gratificações não incorporadas pagas a professores, pesquisadores e funcionários. O reitor Marcelo Knobel afirma que a medida vai levar a uma economia de R$ 15 milhões ao ano. A instituição deve encerrar 2017 com um déficit orçamentário de R$ 290 milhões – 14,2% a mais do que no ano anterior.

O Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) criticou a aprovação por considerar que não houve tempo suficiente para debatê-la. “Aprovam mudanças pontuais, sem discutir o financiamento da universidade de forma mais ampla”, diz o diretor João Raimundo de Souza.

O corte nas gratificações passa a valer para o mês de novembro. “Nesse momento temos urgência para realizar essas mudanças, já que temos uma prazo curto de até quando os recursos vão estar disponíveis”, diz Knobel. O Conselho Universitário também aprovou a criação de um grupo de trabalho que vai sugerir novas medidas para cortar R$ 25 milhões de gastos no próximo ano.

O grupo também vai analisar a proposta de reajuste do valor das refeições oferecidas nos restaurantes universitários. A proposta inicial é de que elas passem de R$ 2 para R$ 4 aos estudantes não carentes – a sessão que votaria o aumento foi suspensa no último dia 26, após alunos contrários à medida invadirem a reunião.

Com o valor atual, a universidade subsidia R$ 25 milhões dos custos das refeições. A previsão é de que, com o aumento, o subsídio caia para R$ 18 milhões. “Hoje, cerca de 18% dos estudantes têm isenção total na refeição e queremos ampliar o atendimento para quem precisa. Esperamos que, com essas informações e discussão, a comunidade entenda a importância do reajuste”, diz Knobel. A reitoria propôs criar 500 bolsas alimentação para alunos carentes que não têm o benefício.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Previous post

Britânico Kazuo Ishiguro ganha Prêmio Nobel de Literatura

Next post

Campanha internacional para proibir armas nucleares recebe Nobel da Paz de 2017

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *