Home»Internacional»Milhões de rejeitos plásticos se amontoam em ilha do Pacífico sul

Milhões de rejeitos plásticos se amontoam em ilha do Pacífico sul

0
Shares
Pinterest Google+
Lixo plástico acumulado no leito do rio Ghadir, perto do aeroporto internacional de Beirute, 14 de janeiro de 2017 - AFP
Lixo plástico acumulado no leito do rio Ghadir, perto do aeroporto internacional de Beirute, 14 de janeiro de 2017 – AFP

Uma das ilhas mais isoladas do mundo, localizada no Pacífico, acumula a maior densidade de rejeitos plásticos do planeta, revela um estudo que mostra a magnitude da contaminação dos oceanos por produtos descartados, que ameaça os ecossistemas marinhos.

Apesar de a ilha Henderson ser deserta e estar a mais de 5.000 km do primeiro centro urbano importante, suas praias estão cobertas por 38 milhões de pedaços de plásticos, avaliaram os pesquisadores cujo trabalho se publicou na segunda-feira nas Atas da Academia Nacional de Ciências (PNAS) dos Estados Unidos.

Outro estudo publicado recentemente na revista Science Advances revelou que o oceano Ártico, também pouco habitado, é o destino final dos rejeitos plásticos que flutuam no Atlântico Norte.

Henderson é uma das quatro ilhas britânicas Pitcairn, com superfície total de 47 km2. Está tão isolada que apenas é visitada a cada cinco ou dez anos por expedições científicas.

Mas fica próximo do centro do giro do Pacífico Sul, um vórtice gigante onde se acumulam os dejetos transportados pelas correntes marinhas da América do Sul ou provenientes do navio.

Durante a mais recente expedição à ilha de Henderson, realizada em 2015 por cientistas da Royal Society for the Protection of Birds, uma ONG britânica, a autora principal do estudo, Jennifer Lavers, contabilizou até 671 pedaços de plástico por metro quadrado nas praias – o que representou a maior densidade de resíduos medida até agora.

“Com base em nossas amostras coletadas em cinco locais, estimamos que mais de 17 toneladas de resíduos plásticos foram depositados na ilha e mais de 3.570 novos rejeitos chegam diariamente a uma de suas praias”, disse.

Segundo esta pesquisadora, “é provável que estes cálculos subestimem a magnitude do acúmulo de dejetos nesta ilha”.

Com informações da AFP

Previous post

Sanasa e Cimcamp firmam parceria para monitoramento remoto

Next post

USP, Unicamp e Unesp divulgam datas dos vestibulares

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *