Home»RMC»Combate às perdas hídricas em Nova Odessa receberá investimento de R$ 5,5 milhões

Combate às perdas hídricas em Nova Odessa receberá investimento de R$ 5,5 milhões

0
Shares
Pinterest Google+

obra-adutora-nova-odessa-maio-2016

A Coden (Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa) solicitou e, após apresentar projeto com toda a documentação necessária, foi indicada para receber R$ 5,5 milhões e assim poder realizar a obra de substituição de toda rede de distribuição de água no Jardim São Jorge, composta de 11,8 quilômetros, e as mais de 1,5 mil ligações domiciliares de água. O bairro é um dos mais antigos e populosos da cidade.

Nessa sexta-feira, dia 24, durante reunião plenária dos Comitês PCJ em Extrema (MG), ocasião em que devem ser deliberadas as indicações de empreendimentos para financiamento com recursos oriundos das cobranças pelo uso dos recursos hídricos em rios de domínio da União e do Estado de São Paulo (Cobrança PCJ) e do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro).

De 52 projetos protocolados inicialmente na Agência das Bacias PCJ, 29 apresentaram toda a documentação exigida e foram aprovados, mas, no primeiro momento, apenas 21 poderão ser indicados pelos Comitês PCJ. Por meio da Coden, Nova Odessa, que também é um dos municípios associados ao Consórcio PCJ, está indicada com a obra viabilizada pelo recurso da Cobrança Federal, no valor de R$ 5,599 milhões, sendo R$ 680 mil de contrapartida própria.

O objetivo principal da benfeitoria é combater as perdas de água tratada, reduzindo o índice que nos últimos anos passou de 50% para 29%. Apesar da rede do Jardim São Jorge ser de material PVC (Policloreto de Vinila), menos antigo que o de cimento amianto que já foi trocado em outros bairros, haverá a substituição por PEAD (Polietileno de Alta Densidade), o melhor e mais eficaz existente no mercado.

O projeto prevê a troca de 11.595 metros de rede com diâmetro de 63 milímetros e 258 metros de 110 mm, assim como 1.469 ligações domiciliares. Considerando o intervalo entre a obtenção do recurso e a efetiva execução da obra, o que deve levar alguns meses, a Coden prevê um acréscimo de 80 ligações, totalizando 1.549.

Desde 2010, após a aprovação do Plano Diretor de Perdas, a Coden investiu R$ 20,5 milhões em obras para a redução de perdas de água tratada, que na época eram de aproximadamente 43%. Entre as melhorias implantadas estão troca de rede no Centro e jardins Santa Rosa, Bela Vista, Éden e São Manoel, além de troca de hidrômetros, setorização e banco de dados.

Recentemente tiveram início duas obras que também combatem as perdas: a instalação de VRPs (Válvulas Redutoras de Pressão), com a implantação do Centro de Monitoramento e Controle de Pressão e Vazão da Rede, cujo investimento é de R$ 1,937 milhão; e a troca de três quilômetros de adutoras que passam pelos bairros Jardim Bela Vista, Santa Rosa e São Jorge, ao custo de R$ 1,853 milhão.

Segundo o diretor-presidente da Coden, Ricardo Ongaro, trata-se de mais um importante passo para reduzir o índice de perdas do Município abaixo dos 20%, antes do ano de 2020. “Estamos cumprindo com o planejado no Plano Diretor de Perdas”, ressalta. O prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza cita que “é mais um investimento importante e garantindo o abastecimento futuro da população com mais qualidade”.

Consórcio PCJ e as perdas hídricas

O Consórcio PCJ no âmbito do Programa de Saneamento e Racionalização, o Grupo Regional de Combate às perdas hídricas, que se reúne periodicamente para a troca de experiências e discussões acerca de novas tecnologias e ações conjuntas entre os municípios associados à entidade. No último ano, a entidade desenvolveu estudo sobre a criação de um índice regional de perdas nos sistemas de distribuição de água. O objetivo com essa iniciativa é ter um diagnóstico mais amplo das perdas para que possam ser buscadas soluções em conjunto.

As perdas hídricas se configuram como um grande desafio para a ampliação da oferta de água à comunidade, e também da segurança financeira dos prestadores, para que possam investir continuamente na melhora da qualidade dos serviços realizados. O Consórcio PCJ estima que, ao reduzir as perdas nas Bacias PCJ e na Bacia do Alto Tietê, onde está a Grande São Paulo, pode-se encontrar mais de 32 m³/s de água, ou seja, um novo Sistema Cantareira.

Os municípios e serviços de água interessados em mais informações sobre o tema junto ao Consórcio PCJ podem solicitar atualidades pelo e-mail saneamento@agua.org.br.

Por Assessoria de Comunicação do Consórcio PCJ

Previous post

Após protestos, Unicamp promete criar 600 vagas na moradia

Next post

Conjud dá descontos de até 80% em juros e multas de dívidas ajuizadas

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *