Home»Educação, Pesquisa e Inovação»Trabalhadores da Unicamp decretam greve

Trabalhadores da Unicamp decretam greve

0
Shares
Pinterest Google+

Insatisfeitos com o reajuste oferecido pelo Cruesp e os cortes de verbas, trabalhadores entrarão em greve dia 23/05 (segunda-feira)

Assembleia de funcionários decide pela greve a partir de segunda-feira, 23 - Foto: Leon Cunha (Imprensa STU)
Assembleia de funcionários decide pela greve a partir de segunda-feira, 23 – Foto: Leon Cunha (Imprensa STU)

Os trabalhadores da Unicamp decretaram greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia geral convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) realizada na tarde dessa quarta-feira (18). O movimento paredista terá início nesta segunda-feira (23).

A justificativa dos trabalhadores é o baixo índice de reajuste salarial oferecido aos professores e funcionários e a política de cortes de verba implantada pelo reitor José Tadeu Jorge através da GR 10/2016.

O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) apresentou em reunião com o Fórum das Seis Entidades a proposta de 3% (a partir de maio/2016) de reajuste aos professores e funcionários técnico-administrativos. O índice proposto foi recebido com insatisfação pela categoria porque está muito abaixo da inflação e dos 12,34% reivindicados na pauta da Campanha Salarial Unificada. A reunião de negociação foi realizada em São Paulo nessa segunda-feira (17). O Fórum das Seis Entidades reúne as entidades representantes das comunidades universitárias da Unicamp, USP e Unesp –  sindicatos, DCE’s e associações docentes.

O diretor do STU, Antonio Alves Neto explica que “além dos cortes apresentados pela reitoria da Unicamp, que atinge diretamente os trabalhadores técnico-administrativos, a proposta de índice de 3% apresentada pelo Cruesp na reunião de negociação, não contempla a reivindicação da categoria”.

É importante ressaltar que o ICV-DIEESE de maio/2015 a abril/2016 totalizou 9,34%. Somados aos 3% para recuperação de parte das perdas acumuladas, o índice reivindicado pelos trabalhadores das três universidades paulistas é de 12,34%.

A verdade é que os funcionários estão com o salário defasado há dois anos por falta de reposição da inflação e o corte de verbas representa um ataque aos trabalhadores e, principalmente, à Educação Pública.   

“A falta de atenção que a administração da universidade tem em relação aos trabalhadores tem causado indignação nos funcionários. Todos os cortes são em cima dos trabalhadores, a falta de contratação para reposição de vagas gera acúmulo e pressão no ambiente de trabalho e a gestão não prioriza as condições de trabalho. Um exemplo é a Área da Saúde que sofre com materiais e equipamentos de péssima de qualidade e fora de padronizações, redução da equipe de trabalho e a superlotação no atendimento do serviço”, explica a diretora do sindicato, Margarida Barbosa.

De acordo com a diretora do STU, Adriana Stella “a greve é necessária para lutarmos pela defesa da Educação que está sendo sucateada em nosso Estado e pela defesa do serviço público e gratuito que está sob ameaça com os projetos de leis que estão em curso. Por esse motivo, nós trabalhadores, decidimos sair em luta contra a retirada de direitos e contra os cortes na Unicamp nesta Campanha Salarial”.

Ainda hoje a reitoria será oficializada da decisão da assembleia e passa a contar o prazo legal da Lei de Greve que prevê notificação com antecedência mínima de 72 horas para atividades essenciais e 48 horas para as demais atividades.

Nessa sexta-feira (20), às 12h, será realizada uma reunião de Comando de Greve para organização do movimento.

Vale destacar que a próxima reunião de negociação entre o Fórum das Seis Entidades e o Cruesp acontece dia 30 de maio (segunda-feira), em São Paulo.

 [box type=”shadow” ]

NOTA DA UNICAMP

A propósito da greve aprovada em assembléia do Sindicato dos Servidores da Unicamp (STU) nesta quarta-feira (18), informamos o seguinte:

1. A Unicamp reafirma o seu propósito de amplo diálogo com as entidades representativas dos servidores.

2. A Universidade reitera, ainda, proposta apresentada no dia 16 de maio, por meio de comunicado oficial, cujo teor segue no link abaixo:

Comunicado do Cruesp : clique aqui 

Assessoria de Imprensa Campinas, 18 de maio de 2016

[/box]

Previous post

Receita Federal libera da malha fina lote de declarações de 2008 a 2015

Next post

Com chuvas significativas, nível de água do Cantareira sobe para 65,4%

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *