Home»Cultura»Festa do Momo: blocos carnavalescos saem às ruas entre sexta e terça-feira

Festa do Momo: blocos carnavalescos saem às ruas entre sexta e terça-feira

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+
Grupo de Pífanos Flautins Matuá | Foto: Arquivo PMC
Grupo de Pífanos Flautins Matuá | Foto: Arquivo PMC

Os blocos carnavalescos de Campinas divulgaram as datas, horários e trajetos dos seus desfiles, entre os dias 5 (sexta-feira) e 9 (terça-feira) de fevereiro. As atividades contam com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura.

Confira abaixo as informações e os históricos de cada agremiação:

5 de fevereiro (sexta-feira), a partir das 15h

Afoxé Ibaô Inã Ati Omi (Vila Padre Manoel da Nóbrega)

Trajeto: Esquina da Rua Canário com Azulão, Albatroz, Pardal, Uirapuru, Tucano, Ema, nº 170

O Afoxé Ibaô foi fundado em dezembro de 2009, liderado por David Rosa e Alessandra Gama, filhos de santo de Mãe Iberecy. O Afoxé Ibaô foi consagrado no mesmo ano de sua fundação e tem como patronos os Orixás Xangô e Oxum.

Afoxé é uma manifestação cultural composta de ritmo, canto e dança, além das indumentárias e expressões ritualísticas. O ritmo é o Ijexá, acompanhado de cânticos e instrumentos percussivos. Para além de uma expressão estética, o Afoxé Ibaô tem como principal referência os elementos da ancestralidade negra e afro-brasileira, onde através da manifestação da palavra, revive-se a memória da nossa matriz africana, no fortalecimento da identidade e do vínculo com a luta e o combate ao preconceito e à discriminação étnica e racial.

O Afoxé Ibaô promove em sua essência ações coletivas de promoção e preservação do patrimônio cultural afro-brasileiro, articulando atividades educativas, com a visão de empreender ações sustentáveis nas dimensões artísticas e ambientais, sobretudo no exercício da cidadania para a integração e a transformação social. Esse ano o Afoxé Ibaô homenageia Oxalá.

Oxalá é um orixá masculino, de origem Ioruba (nagô) bastante cultuado no Brasil, onde costuma ser considerado a divindade mais importante do panteão africano. Na África é cultuado com o nome de Obatalá. Ele não tem mais poderes que os outros nem é hierarquicamente superior, mas merece o respeito de todos por representar o patriarca, o chefe da família.

Oxalá, porém, é o que traz consigo a memória de outros tempos, as soluções já encontradas no passado para casos semelhantes, merecendo, portanto, o respeito de todos numa sociedade que cultuava ativamente seus ancestrais.

5 de fevereiro (sexta-feira), a partir das 0h

Bloco Berra Vaca (Barão Geraldo)

Concentração na Praça da R. Júlia Leite de Barros. Trajeto: segue em direção às ruas Luís Vicentim Sobrinho, Vitórino Ferrari, Lucinda Carvalho Marquês, Avenida Santa Isabel, Rua Jerônimo Páttaro. Término na Praça Manuel Sebastião Siqueira (Escola Barão de Resende), Barão Geraldo.

O Berra Vaca é um bloco carnavalesco tradicional criado por moradores de Barão Geraldo que existe desde 1999 e sai às ruas desde 2000. É composto e mantido por voluntários de diversas áreas de atuação e resgata um pouco da leveza dos carnavais.

A origem do nome surgiu por alusão à lenda mais popular do distrito, a história do “Boi Falô”. Nasceu de forma bem descontraída, e no início atraía a participação de moradores e pessoas ligadas de alguma forma com o distrito.

Nos últimos anos, tem contado com a integração do público de outras partes de Campinas e mesmo de outras cidades da região. Ao longo dos anos, o grupo que iniciou o projeto foi agregando profissionais de várias formações ligados ao reduto cultural que se formou no distrito como atores, músicos, engenheiros, psicólogos, advogados, médicos, professores, jornalistas etc. Todos unidos para resgatar composições brasileiras do passado bem como trazer novas contribuições para a festa popular. Hoje é considerado um dos mais importantes e tradicionais blocos de rua de Barão Geraldo.

Toda essa atividade vem sendo feita de forma voluntária e colaborativa pela comunidade. Com fantasias, enfeites, sonorização, instrumentos que levam a multidão a cantar e dançar nas noites de Carnaval e tudo advém da colaboração e doação de seus membros, moradores e simpatizantes.

5 de fevereiro (sexta-feira), a partir das 19h

Baile de Carnaval de Rua do Parque Tropical

É organizado por moradores do bairro. Haverá palco e banda que tocará diversos ritmos, desde marchinhas de carnaval, sambas enredos e axés. Aberto a todos e gratuito.

Local: Rua Zilda Teixeira Camilo, Parque Tropical

5 de fevereiro (sexta-feira), a partir das 18h

Império do São Fernando

Escola fundada em 2014, estreou com o enredo “Os naipes da diversão” no grupo das Pleiteantes, com as cores vermelho e verde. A escola desfilará por ruas do bairro com entusiasmo, animada por sua bateria, passistas e componentes.

Trajeto: Rua Serra das Betânias, Rua Serra das Lavras, Rua Serra das Vertentes, Rua Serra dos Umbuzeiros (Jardim Paranapanema).

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h

Bloco Vermelho (Jardim Santa Mônica)

Local: Praça de Esportes Laércio Aulicínio (Bairro Santa Mônica)

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h30

Tomá na Banda (Cambuí)

A Tomá na Banda chega ao seu 31º Carnaval, sempre fiel às origens dessa grande festa como uma manifestação popular, em espaço público, aberta a quem quiser participar.

O tema deste ano é “O Povo tá de Saco Cheio (de confete e serpentina)”, com uma chamada em tom de marchinha que diz: “Tamo de saco cheio, tamos de saco cheio/De confete e serpentina/Pra melhorar essa vida/Vem com a Banda pro meio da avenida!”

Um tema que segue a tradição sarcástica de boa parte das letras das antigas marchinhas, que satirizavam o momento político e/ou econômico da época, em atitude crítica mas sempre com muito bom humor. Saindo sempre no sábado de Carnaval, com um público fiel, que cresce a cada ano, o Tomá na Banda é mais uma opção de animação saudável para os foliões de todas as idades, que “batem cartão” todo ano, e para aqueles que estão chegando agora e queiram conferir o carnaval de rua mais tradicional de Campinas e Região.

A concentração é em frente ao Centro de Convivência /Cultural.

Trajeto: Segue em direção à Rua Antônio Cezarino, até Rua Benjamin Constant, Avenida Francisco Glicério, virando na Rua Conceição e retornando ao Centro de Convivência.

História do Bloco

A rigor, o Carnaval é uma festa popular, profana e de rua. Restabelecer esses pilares foi a proposta da precursora das bandas de Campinas da nova geração, a Tomá na Banda. O manifesto, surgido no vazio das ruas e num tanto de boemia etílica, multiplicou-se e transformou a folia campineira em um evento democrático. As bandas anunciam a grande celebração ao samba semanas antes do que manda o calendário.

Era uma madrugada de 1985. Na mesa de um bar, no Cambuí, um grupo de amigos, inconformados com a solidão das ruas campineiras na algazarra de Momo, passou a fazer planos. Os amigos decidiram que era preciso interromper a quietude gritante do Carnaval de Campinas à época e criou o bloco.,

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h

Matinê Infantil das Caixeirosas (Barão Geraldo)

Local: Praça José Barbuti (Praça do Coco)

As Caixeirosas é um Bloco Tradicional de rua de Barão Geraldo fundado em 2006 pela artista Cristina Bueno junto aos grupos de Campinas “Caixeiras da Guia” e “Caixeiras das Nascentes”; com o objetivo de proporcionar, em especial às crianças, um espaço onde possam brincar o carnaval com alegria, tranquilidade e liberdade como nos antigos carnavais.

A praça do coco em Barão Geraldo se tornou aos poucos um espaço cultural de encontro entre pessoas de todas as idades; com sua feira de artesanato, seu quiosque de alimentação, sua programação cultural e o parquinho para as crianças. Para que elas possam acompanhar o cortejo e não se cansem muito o mesmo acontece em torno da praça.

6 de fevereiro (sábado), a partir de 0h

Bloco Jeguegerso (Barão Geraldo)

Concentração na Praça Zelia Seixas de Siqueira. Segue em direção à Rua Francisco Andreo Aledo, Rua Jerônimo Pátaro e Rua Josefa Antonia Maria Picelia.

O nome do bloco não teve sua origem em nenhuma história específica ou marcante, mas apenas pelo simples fato da figura folclórica de um jegue ter contagiado a maioria dessas pessoas, que prontamente se identificaram como “jegueiros”.

6 de fevereiro (sábado), a partir das 18h

Grupo de Pífanoas Flautins Matuá (Barão Geraldo)

Concentração: Rua Raul de Souza, nº 80. Segue em direção à Praça Américo Ferreira de Camargo (Praça Vila São João), Rua José Martins, nº 733, término na Praça Zélia Seixas de Siqueira.

Influenciado pelas tradicionais bandas de pífanos, os Flautins Matuá cria um espetáculo interativo repleto de danças e ritmos brasileiros. Sua concentração na Vila São João é um espetáculo à parte, onde música, alegria e ritmos se misturam à paisagem da natureza da praça, repleta de árvores. O grupo viaja pelo imaginário popular, convida o público para participar de dinâmicas interativas e coreografias. Sempre em um figurino improvisado e criativo com cores alegres e vibrantes.

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h

Bloco do Paredão (Sousas)

Praça Beira Rio (Sousas)

O Bloco do Paredão é composto por moradores do bairro Jardim Belmonte conhecido como (Paredão), em Sousas. O Bloco pretende resgatar a tradição dos blocos que o distrito possuía em tempos passados, com este intuito um grupo de amigos motivou moradores do bairro onde moravam. No carnaval de 2014, o bloco saiu pela 1ª vez com instrumentos emprestados. Os integrantes e a comunidade se articularam e compraram os instrumentos para a bateria que conta com 45 integrantes.

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h

Bloco da Galinhada (Joaquim Egídio)

Trajeto: Praça Dom Agnelo Rossi (Igreja São Joaquim), com fechamento da Rua José Inácio, entre Rua Alcides Jorge e Heitor Penteado.

O Bloco da Galinhada, formado por um grupo de moradores de Joaquim Egídio e de Sousas e de suas famílias, vem alegrando Joaquim Egídio desde 2010, tendo resgatado o carnaval de marchinhas, sempre no horário vespertino, agregando famílias que vem comparecendo com suas crianças no formato de um típico carnaval de “antigamente”.

6 de fevereiro (sábado), a partir das 14h

Matinê de Carnaval (Estação Cultura)

Organizado pela Liga das Escolas de Samba de Campinas (Lesca), a matinê será realizada na Estação Cultura “Antônio da Costa Santos” tem entrada gratuita e aberta a toda população.

Praça Floriano Peixoto, s/nº

Estacionamento Francisco Teodoro, 1.020, Vila Industrial

7 de fevereiro (domingo), a partir das 16h

Bloco do Paredão (Sousas)

Praça Beira Rio (Sousas)

Baile dos Moradores (Vila Costa e Silva)

Rua Caimuras, s/nº

Uma celebração de Carnaval para as crianças, com toda a família, se divertirem e sentirem a alegria dessa grande festa.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 19h

Baile de Carnaval do Parque Tropical

Rua Zilda Teixeira Camilo

7 de fevereiro (domingo), a partir das 13h30

Bloco Vai Que Vira (São Bernardo)

Concentração: Rua São Vicente de Paula. Segue em direção à Rua Espirito Santo, Avenida Rio de Janeiro, Rua Campos do Jordão, Rua José de Castro Mendes, Rua Ceará, Rua Espirito Santo e finalizando na Rua São Vicente de Paula.

Bloco formado por moradores do bairro São Bernardo e pelo Grupo da Serrinha, Luquinha e Dmarco. O Bloco Carnavalesco Cultural Vai Que Vira foi fundado em 13 de janeiro de 2013, em uma reunião com os amigos e irmãos no bairro do São Bernardo.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 14h

Matinê Infantil do Bloco Zé Coquinho (Barão Geraldo)

Praça do Coco

O Bloco Zé Coquinho surgiu por iniciativa dos pais e frequentadores da Praça do Coco que em conjunto com o Sr. Valdir, idealizador da Praça, criaram um bailinho destinado às crianças e suas fantasias no domingo e na terça-feira de carnaval.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 15h

União Altaneira (Barão Geraldo)

Concentração: Avenida Santa Isabel, nº 1.616, em frente à Moradia Estudantil da Unicamp/Supermercado Dia; término: Avenida Santa Isabel em frente a escola Barão Resende.

O Bloco União Altaneira, tradicional do carnaval de Barão Geraldo, é formado por diferentes grupos culturais mescla elementos de diversas manifestações carnavalescas e da cultura popular, embalando com muito samba e ritmo.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 22h

Roda de Samba da Madruga (Barão Geraldo)

Praça Durval Pataro (Bicicross)

A Roda de Samba da Madruga surge do encontro dos sambistas, músicos e foliões do Distrito de Barão Geraldo que em roda tocam e cantam sambas tradicionais e atuais, construindo um espaço descontraído, mas com muito respeito pelo Samba.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 14h

Urucungos (Vila Teixeira)

Concentração: Rua Salvador Lombardi Neto, nº 20 (antiga casinha de força do VLT). Segue pela Rua Cesar Ladeira, Rua Dr. Alberto Dias da Silva, Rua Sílvio Machado de Campos, Nelson Noronha Gustavo, Alberto Dias da Silva, finalizando na Rua Salvador Lombardi Neto.

O Grupo Urucungos, Puítas e Quingêngues fará seu tradicional cortejo de maracatu. Como organização social de caráter cultural, o Urucungos foi fundado em 1988 na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), através de um curso de extensão, ministrada pela pesquisadora, folclorista e artista plástica Raquel Trindade que o batizou de Urucungos (Berimbau), Puítas (Cuíca) e Quijêngues (Tambor), instrumentos musicais africanos proveniente de Angola e muito difundido no Brasil.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 14h

Da Zocca (Vila Castelo Branco)

Concentração: Rua Zocca. Segue pela Rua Fornovo, Rua Sofia Salgado, Av. Ibirapuera, finalizando na Rua Zocca.

Idealizado pelo chef de cozinha Abimael, o Nenê, o bloco é mais uma ação dos moradores da rua Zocca na Vila Castelo Branco. Os moradores constantemente se reúnem para festas tradicionais na rua, como dia das mães, dia das crianças entre outras. A festa de Final de Ano chega a reunir em torno de 800 pessoas.

7 de fevereiro (domingo), a partir das 18h

Rosa de Prata (Vila Castelo Branco)

Rua Montesi, 221

Espalhando as suas tradicionais cores rosa, prata e branco, com mais de 40 anos de Carnaval, a Rosa de Prata faz o povo inteiro sambar e se divertir a cada batida do tamborim, sem contar seus magníficos desfiles que encantaram todos os corações campineiros.

8 de fevereiro (segunda-feira), a partir das 16h

Baile dos Moradores (Vila Costa e Silva)

R. Caimuras s/nº

Uma celebração de Carnaval, para as crianças, junto com toda a família, se divertirem e sentirem a alegria dessa grande festa.

Bloco dos Moradores

8 de fevereiro (segunda-feira), a partir das 14h

Bloco Vó Tiana (Vila Teixeira)

Praça Getúlio Vargas (IAPI), Vila Teixeira, Rua Constantino Cicarelli, Borborema, Dirceu Martins Ribeiro

Bloco tradicional da Vila Teixeira com muito samba e marchinhas de carnaval, o grupo de samba que forma o Bloco Vó Tiana é formado por excelentes músicos. O Bloco não possui fins lucrativos. A concentração é na Praça Getúlio Vargas IAPI que fica lotada com barracas, diversão para adultos e crianças. Pagode de altíssima qualidade e uma intensa participação da comunidade.

8 de fevereiro (segunda-feira), a partir das 16h

Cupinzeiro (Barão Geraldo)

Trajeto: Avenida José Martins 613, Avenida Modesto Fernandes, Avenida Santa Izabel, Rua Agostinho Páttaro, com término na esquina com R. Jeônimo.

O Bloco Cupinzeiro surgiu em 2002 e desfila pelas ruas de Barão Geraldo reunindo jovens, crianças e adultos para cantar e brincar o carnaval. O Bloco não possui fins lucrativos. Mantendo a tradição dos blocos de rua, desfila com um samba mais lento, traz este ano a Loucura Libertária com a Nau dos Loucos.

Com esse enredo, o bloco pretende relacionar Arte e Loucura, sendo a Loucura Libertária a expressão nascida fundamentalmente livre, e potencializa a vida em todas as suas dimensões. Traz a Arte não vinculada a padrões ou amarras sociais, mas como busca de sermos inteiros, íntegros enquanto seres humanos sensíveis e não só racionais.

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 15h

Bloco Teia do Aranha (Vila Padre Manoel de Nóbrega)

Centro Esportivo dos Trabalhadores do Brasil de Oliveira, na Rua Mário Yahn, s/nº

O Bloco Teia da Aranha é uma manifestação cultural, de músicos que saem pelas ruas dos bairros da região tocando marchinhas e frevos.

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 13h

Bloco Pacu com Cebola (Vila Aurocan)

Saída da Rua Giovani Ruzene

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 16h

Bloco do Paredão (Sousas)

Praça Beira Rio (Sousas)

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 18h

Unidos do Shangai (Jardim Shangai)

Rua Antônio Candido, 139

A tradicional Escola de Samba Unidos do Shangai, realiza mais um Carnaval com toda a população campineira no seu bairro de origem, na terça-feira mais esperada do ano para a Escola. Uma festa com as tradicionais cores verde e rosa que sempre encantam os campineiros, com o seu samba cativante, bateria impecável e toda alegria depositada em cada desfile e comemoração do Carnaval.

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 15h

Matinê Infantil do Bloco Zé Coquinho (Barão Geraldo)

Praça do Coco

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 0h

Bloco Berra Vaca (Barão Geraldo)

Praça da R. Júlia Leite de Barros em direção a Rua Luís Vicentim Sobrinho, Rua Vitórino Ferrari, Rua Lucinda Carvalho Marquês, Avenida Santa Isabel, Rua Jerônimo Páttaro, Término na Praça Manuel Sebastião Siqueira (escola Barão de Resende).

9 de fevereiro (terça-feira), a partir das 2h

Bloco Sonhos Havaianos (Barão Geraldo)

Esquina da Rua Agostinho Pátaro com Rua Jerônimo Páttaro, Avenida Santa Izabel, Praça Angelina Caselatto Antoniolli.

Os Sonhos Havaianos surgiu de uma viagem da Bateria Alcalina. É um bloco sem regras, mas com muita alegria, que vai usar o samba-reggae para interpretar diversos estilos: de Olodum a garotos podres, passando por Leandro e Leonardo.

 

Post Anterior

Confira os serviços essenciais disponíveis neste feriado de Carnaval

Próximo Post

ANA autoriza Sabesp tirar mais 3.500 litros por segundo do Cantareira

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *