Home»RMC»Cresce a criminalidade em municípios da RMC

Cresce a criminalidade em municípios da RMC

0
Shares
Pinterest Google+
Vistaaérea do município de Morungaba - Foto: Divulgação/PMM
Vista aérea do município de Morungaba – Foto: Divulgação/PMM

Ao mesmo tempo em que Campinas teve quedas drásticas nos furtos e roubos de veículos, além de roubos em geral, na comparação das estatísticas de 2001 com 2014, a maioria das cidades da região, incluindo vizinhas a elas, apresentou alta nesses crimes. Na opinião de autoridades e um especialista houve uma migração da criminalidade para cidades vizinhas com o passar do tempo. O uso do videomonitoramento em Campinas, que foi ampliado neste ano, e sobretudo a chegada de uma unidade do Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia), são apontados como medidas que fizeram os criminosos mudarem os locais de atuação.

As estatísticas disponíveis no site da SSP (Secretaria de Segurança Pública) apontam que Campinas teve, por exemplo, queda de 17,6% no índice de roubos enquanto a vizinha Vinhedo teve alta de 71,26% do mesmo crime. Em Paulínia, outra vizinha, a alta foi de 76,23% e em Itatiba de 110%. Treze municípios da RMC tiveram alta nesses itens.

Em relação aos casos furto e roubo de veículos, a queda em Campinas foi ainda mais acentuada (43%), enquanto o crime aumentou em mais 13 cidades. Em algumas o índice mais que dobrou.

Nas cidades de pequeno porte, como Morungaba, o crime vem aumentando e tirando o sossego da população. Para o membro do Conselho de Segurança e ex-presidente do órgão regional, Sócrates Penteado de Camargo, a migração é natural quando se trata de criminalidade. “Campinas nesse tempo (de 2001 para cá) ganhou o Baep, houve o sistema de monitoramento, o que afugenta criminosos. Bandido é bandido. Ele não vai se corrigir porque as coisas estão difíceis. O crime não acaba, migra”, disse.

Opinião similar tem o delegado de Morungaba Wesley Wagner Gocking. Ele disse não estar autorizado a comentar assuntos isolados sobre o município, mas explicou sobre a mudança de ações. “Existe um fenômeno em que o criminoso migra para lugares mais fáceis. Isso é uma constante sempre, é universal”, afirmou.

Comandante da PM diz perceber a migração

O tenente-coronel Marcelo Oliveira, comandante da PM na região de Americana, disse perceber no dia a dia do comando o número de criminosos de Campinas em cidades vizinhas.

“Roubo e furto de veículos e roubo o pessoal tem feito uma migração. A gente nota nos flagrantes realizados, muitos são de Campinas e até da Grande São Paulo”, disse.

Segundo Oliveira, os criminosos “acabaram descobrindo o interior” em função de medidas adotadas nas grandes cidades para difultar os crimes. Ele disse que os roubos a bancos de cidades pequenas são o maior exemplo do “descobrimento”.

Em função de muitos municípios menores terem sistemas de segurança mais frágeis, proporcionais à população, acabam visados para esse tipo de ação.

“Nós temos ficado atentos, temos deslocado equipes para Cosmópolis, Artur Nogueira e Engenheiro Coelho sempre, para evitar essas ações”, explicou o tenente-coronel.

Casos se acumulam

Desde agosto, a aparente tranquilidade de Elias Fausto foi abalada com ao menos três crimes de grande repercussão. A cidade sofreu com dois furtos a caixa eletrônico, um roubo a banco e, na semana passada, e o assassinato do prefeito Laércio Betarelli (PSDB) em plena luz do dia, quando visitava uma obra municipal. Daquele mês para cá, cidades pequenas como Nova Odessa e Santo Antônio de Posse tiveram bancos por grupos armados.

Em Morungaba, uma das menores da região, o sossego já não é tão exaltado por moradores. A dona de casa Lucimara Bertolini, 50, enumera a série de crimes de que teve notícias. “Mês passado eu soube de assalto a residência, a um sítio e uma pousada. Antes eu sentava na porta de casa, mas fico com medo para não ficar visada. É muito chato”, disse. Segundo ela ano a ano tem percebido casos mais altos. Lucimara disse acreditar que os criminosos são de fora. “Muitos roubos são com a cara limpa, se fosse daqui eles se protegeriam”, disse.

O aposentado Carlos Alberto, 69, mudou-se de Campinas para Morungaba há 14 anos em busca de tranquilidade e disse ter encontrado, mas faz ressalvas. “Os bandidos foram para as outras cidades, pois a repreensão foi forte em Campinas”, avaliou.

Com informações do Jornal Tododia

Previous post

ANP deixa de monitorar qualidade dos combustíveis em 20 Estados

Next post

Nível de água recua em represas que abastecem SP

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *