Home»Geral»Sistema Cantareira tem melhor início de estiagem dos últimos 7 anos

Sistema Cantareira tem melhor início de estiagem dos últimos 7 anos

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

No início de maio, o nível estava em 19,9%; neste sábado (7), o percentual está em 20,2%

Reservatório já registra 16,7% de toda chuva esperada para o mês de junho

Represa do Rio Atibainha no Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista - Foto: Renato César Pereira
Represa do Rio Atibainha no Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista – Foto: Renato César Pereira

O Sistema Cantareira registrou, na sexta-feira (6), a sexta alta consecutiva e completou dez dias sem queda em seu estoque de água em pleno período seco, conforme dados divulgados pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). Desde 2008, o manancial não registrava uma sequência de aumentos da capacidade a partir de maio, quando praticamente para de chover na região das represas.

Ontem, o Cantareira chegou a 20,2% da capacidade, considerando as duas cotas do volume morto dos reservatórios, alta de 0,1 ponto porcentual em relação ao dia anterior. No início de maio, o nível estava em 19,9%. Na prática, se considerar a reserva profunda usada como negativa, como defende o Ministério Público, o sistema operava ontem com 9,1% abaixo de zero, o nível mínimo dos túneis de captação. Esse índice já foi de -23% no início de fevereiro.

Além da chuva — nos últimos oito dias choveu mais de 60% do esperado em um mês —, que fez a vazão afluente ao Cantareira dobrar no início de junho (23,8 mil litros por segundo) em relação à média de maio (11,2 mil l/s), também contribuiu para a incomum recuperação do sistema nesta época do ano uma redução de 1,3 mil l/s na retirada de água das represas para abastecer parte da Grande São Paulo e do interior.

Só a Sabesp reduziu a produção de água do manancial para a região metropolitana de 13,4 mil l/s em maio para 12,8 mil l/s neste início de junho. Nesta semana, a companhia anunciou a transferência de mais 500 l/s do Sistema Rio Claro para bairros da zona leste da capital que ainda eram atendidos pelo Cantareira, como Mooca, Sapopemba e São Mateus.

Com isso, a cobertura do manancial na Grande São Paulo caiu para 5,2 milhões de pessoas, 200 mil a menos. Antes do início declarado da crise, em janeiro de 2014, o Cantareira atendia 8,8 milhões de pessoas, produzindo 32 mil l/s. Mais de 40% da redução foi obtida graças ao racionamento feito por meio da diminuição da pressão e do fechamento manual da rede, segundos dados do mês de abril, manobras que têm deixado várias regiões sem água durante a maior parte do dia.

Campinas

Para o interior, onde aproximadamente 5,5 milhões de pessoas são abastecidas de forma direta e indireta pelo Cantareira na região de Campinas, o volume liberado das represas caiu de 1,7 mil l/s em maio para 700 l/s no início deste mês graças às chuvas que caíram na região e encheram os rios. A tendência, contudo, é que a liberação de água volte a subir nos meses de estiagem, marcados por queda significativa na vazão dos rios.

Tradicionalmente, a recarga do Cantareira ocorre entre outubro e março, na estação chuvosa, para garantir o abastecimento na estiagem. Neste ano, contudo, o nível só voltou a subir em fevereiro e, desde 2008, não se observava aumento da capacidade durante a estiagem. Há sete anos, a elevação entre maio e 5 de junho foi de 3,7 pontos porcentuais, chegando a 64,1% sem volume morto.

Com informações da Agência Estado

Post Anterior

Estiagem fez matança de peixes disparar nos rios paulistas em 2014

Próximo Post

Receita libera consulta ao primeiro lote de restituições do IR 2015

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *