Home»Geral»Crise de abastecimento faz Sabesp antecipar obras de seu plano diretor

Crise de abastecimento faz Sabesp antecipar obras de seu plano diretor

0
Shares
Pinterest Google+

Sistema Cantareira, que abastecia 9 milhões de consumidores antes da crise, atende hoje a 5,3 milhões

Represa do Rio Atibainha no Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista - Foto: Renato César Pereira
Represa do Rio Atibainha no Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista – Foto: Renato César Pereira

A atual crise de abastecimento na Grande SP levou o governo do Estado a adiantar a programação de obras previstas para 2035.

Os projetos que podem ser antecipados constam do plano diretor de abastecimento de água da metrópole, feito em 2005 pela Sabesp e revisto a cada dez anos. Um deles é considerado prioritário pela cúpula da estatal.

Trata-se da construção de um conjunto de adutoras que poderá levar grandes volumes de água a regiões hoje atendidas pelo sistema Cantareira, o maior da Grande São Paulo e em situação crítica desde o ano passado.

Hoje, porém, com o nível de água disponível próximo ao fundo das represas, o Cantareira abastece 5,3 milhões.

A água desse manancial, antes da atual crise hídrica, atendia a cerca de 9 milhões de pessoas na região metropolitana, na zona norte e partes das zonas leste, oeste, central e sul da capital. r

Essa diferença tem sido compensada com água de outros reservatórios, como Guarapiranga (na zona sul) e Alto Tietê (no extremo leste). Mas o alcance dessa integração segue bastante limitado.

Por isso, a proposta de antecipar a construção de dois eixos de adutoras. Uma no sentido zona sul-centro.

Hoje, a Sabesp consegue enviar água do Guarapiranga até a região da avenida Paulista. Mas não tem condições de levá-la até o bairro de Santana, por exemplo. Com a construção de uma rede de adutoras entre o bairro da zona norte e a Paulista, o problema seria contornado.

Outra proposta é a criação de um eixo de adutoras no sentido leste-centro-norte.

Assim, a empresa poderia enviar água do Itaim Paulista, na zona leste, até a Vila Medeiros, na zona norte.

Embora não sejam vistas como intervenções que possam contornar a atual crise, já que não podem ser feitas em dois anos, elas poderiam ser viabilizadas em cinco anos, a depender do ritmo dos estudos e da verba disponível para os projetos.

Os caminhos dessas adutoras ainda não estão definidos, mas os eixos principais devem reduzir a dependência de bairros da Grande São Paulo de um só reservatório.

O atual plano diretor de abastecimento da Grande São Paulo está em sua segunda revisão. Segundo engenheiros da Sabesp, as adaptações são feitas para corrigir distorções entre o que foi planejado e o cenário real.

“Você faz um planejamento a longo prazo com grande chance de errar e vai ajustando no curto prazo de acordo com a realidade”, disse o superintendente da região metropolitana da Sabesp, Marco Antonio Lopes Barros.

Ele afirma ainda que os dados disponíveis em 2005 não possibilitavam a previsão de um cenário tão drástico como a seca dos últimos anos.

Segundo a empresa, a seca de 2013 e 2014 mudou os parâmetros do planejamento de obras e investimentos de longo prazo.

Com informações da FSP

Previous post

Pesquisadores estudam fóssil de dinossauro que viveu há 70 milhões de anos

Next post

Serviços Públicos faz mutirão contra dengue em Barão Geraldo

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *