Home»Campinas»Campinas tem 14.901 casos de dengue em 2015

Campinas tem 14.901 casos de dengue em 2015

0
Shares
Pinterest Google+

Secretaria Municipal de Saúde divulga novo balanço de dengue com dados até dia 2 de abril

Campinas divulga novo balanço de dengue com dados até dia 2 de abril
Campinas divulga novo balanço de dengue com dados até dia 2 de abril

Campinas confirmou 14.901 casos de dengue em 2015, até o dia 2 de abril, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Foram 1.396 ocorrências em janeiro, 4.614 em fevereiro e 8.891 em março. Outros 5.122 estão sob investigação pelo Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa).

Foram confirmadas duas novas mortes de moradores de Campinas. Os casos referem-se a uma mulher de 53 anos, moradora da região Sudoeste, que morreu em 6 de março, e a um homem de 25 anos, da região Sul, que foi a óbito em 10 de março. Assim, o município soma até esta quinta-feira, dia 2 de abril, três mortes confirmadas por complicações da doença.

O primeiro caso foi confirmado no dia 16 de março. A vítima foi um homem de 78 anos, morador da região Leste da cidade, que morreu em 16 de fevereiro. Outros seis óbitos suspeitos aguardam resultados de exames para confirmação ou descarte.

Contexto

Os meses de janeiro a maio, historicamente, são os de maior incidência da dengue. Este ano, especialmente, as autoridades sanitárias apontam um fator determinante para a ocorrência da doença: a situação climática. A meteorologia aponta que fez mais calor nos últimos meses do que a média histórica registrada no mesmo período nas décadas anteriores.

Outro fator que pode ter contribuído foi a escassez de água, fato que levou as pessoas a estocarem o produto em reservatórios domésticos sem a devida proteção. Esses recipientes improvisados são potenciais criadouros para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e da chikungunya.

Medidas reforçadas

A Prefeitura de Campinas reforçou as medidas de prevenção e controle da doença. Neste momento, a principal delas é a organização da rede de assistência aos doentes, uma vez que o manejo adequado do paciente impacta na redução dos casos graves e óbitos.

A Secretaria de Saúde fez a provisão de recursos humanos, insumos e medicamentos e adotou esquema especial com alas exclusivas e salas de hidratação nos Centros de Saúde dos bairros mais atingidos.

As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e o Pronto Socorro do Ouro Verde estão com atendimento diferenciado para pacientes de dengue. O horário do Laboratório Municipal de Análises Clínicas foi ampliado. Profissionais de saúde foram capacitados para o atendimento.

Referência

Esta forma de organização da assistência em Campinas foi citada como referência exitosa pela coordenação do Programa Nacional de Controle da Dengue, no último dia 25 de março, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, durante evento com autoridades de saúde pública do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País, o coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue, Giovanini Coelho, disse que o município é o melhor exemplo de organização da rede e sistematização de assistência no País. Campinas, disse ele, “é prova de que é possível fazer o que tem que ser feito”.

Limpeza e organização da cidade

Quanto à limpeza e organização da cidade, a Prefeitura informa que 420 mil toneladas de entulhos foram removidas desde 2013 pela Secretaria de Serviços Públicos.

O prefeito Jonas Donizette sancionou lei que impõe aos proprietários de imóveis fechados obrigações relativas à manutenção e limpeza, de forma que as edificações fiquem livres de criadouros.

A Prefeitura firmou parceria com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci). O acordo estabelece que os próprios corretores fiscalizem os imóveis e inviabilizem todo recipiente e/ou local que possa acumular água. Estes profissionais também podem acionar a Vigilância em Saúde, caso necessário. O objetivo é atingir 15 mil imóveis disponíveis para locação no município.

Vigilância em Saúd

Entre as medidas de vigilância em saúde, que incluem ações relativas à vigilância epidemiológica, sanitária e ambiental, mais de 200 mil imóveis foram visitados pelas equipes de saúde para busca ativa de casos suspeitos e remoção de criadouros. A equipe também promove ações de educação e mobilização social.

Além disso, somente este ano, 42 mil imóveis foram nebulizados com apoio da Superintendência do Controle de Endemias (Sucen) e 22 mil caixas d´água foram teladas, trabalho que conta com parceria do Exército.

Educação e mobilização

Na rede municipal de educação, revistas educativas foram distribuídas em trabalhos pedagógicos com 52 mil alunos. A Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável mantém o programa de educação ambiental ‘Guardiões da Natureza’, que trabalha com ações educativas junto às comunidades. O Programa abrange também a recuperação de áreas degradadas por meio do plantio de árvores.

A Secretaria de Comunicação mantém campanha na mídia que inclui peças publicitárias (em formatos específicos para TV, rádio, jornal, internet/sites) com orientações à população sobre como evitar a proliferação do mosquito.

Também, no último final de semana, iniciou campanha de pocket mídia, estratégia que consiste em mensagens que orientam a população via telefone sobre como evitar criadouros. Foram 300 mil ligações atendidas no primeiro final de semana (28 e 29 de março). A estratégia será repetida no segundo final de semana de abril (dias 11 e 12).

Previous post

Apesar de chuvas recentes, quadro segue crítico em SP, diz ANA

Next post

Domingo no Lago - Abril/2015 - Unicamp

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *