Home»Campinas»Dengue afeta férias de servidores da saúde

Dengue afeta férias de servidores da saúde

0
Shares
Pinterest Google+

contra-a-dengue

A Secretaria de Saúde de Campinas está cancelando férias de funcionários para enfrentar uma iminente epidemia de dengue, que deve atingir seu ápice no mês de abril. A medida já foi tomada no Centro de Saúde de Sousas e cada unidade de saúde, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, pode tomar a medida, se achar necessária.

Vai caber, mais uma vez, aos funcionários do setor a responsabilidade de se desdobrarem para enfrentar a doença. No ano passado, quando a cidade registrou o maior número de infectados de sua história, a prefeitura recorreu às horas extras para poder atender os doentes que lotavam os postos de saúde.

Além de reforçar o quadro de funcionários, recorrendo ao adiamento de férias, postos de saúde se preparam para tomar outras medidas tomadas. No centro de Saúde de Sousas, por exemplo, que já atende diariamente uma média de dez pessoas com suspeitas da doença, existe uma agenda médica preparada para priorizar o atendimento de casos suspeitos da dengue, de manhã e à tarde. Os funcionários da unidade também já se planejam a redução da realização de exames de sangue de rotina, para atender a demanda esperada dos casos suspeitos de dengue. A coordenadora da unidade de saúde, Nicole Montenegro, confirmou que precisou mudar a programação de férias de funcionários.

Na semana passada, representantes da Visa (Vigilância em Saúde) Leste fizeram uma reunião com agentes de saúde do distrito, para traçar estratégias de prevenção à doença. Os funcionários foram orientados a focar as orientações em três pontos principais: calhas, ralos e vasilhames onde a população está guardando água da chuva, por causa da crise hídrica. A Visa Leste também já se planejou para não ter funcionários de férias depois de março, quando os casos de dengue devem aumentar, segundo apurou a reportagem.

Desde 2013, o déficit de funcionários tem se apresentado como o principal aliado do mosquito aedes aegypt na cidade, como admitiu o secretário de saúde Carmino Antonio de Souza, durante debate sobre a doença, em outubro do ano passado, na Câmara de Vereadores. Segundo ele, a epidemia recorde de 2014 foi reflexo da falta de funcionários em 2013. “Nós perdemos toda a equipe de prevenção de dengue, com o fim do convênio com o Cândido Ferreira e, por isso, não conseguimos fazer em 2013 o que estamos fazendo agora”, disse Souza, na ocasião.

A prefeitura, no entanto, não fez a lição de casa. No mesmo debate, organizado pelo gabinete do vereador Pedro Tourinho (PT), a coordenadora da Visa, Brigina Kemp, revelou que a cidade tinha um déficit de 57% no número de agentes de controle ambiental, o que prejudica a prevenção da doença. Segundo ela, naquele mês a cidade contava com 130 funcionários, contra os 300 que necessita.

Em nota, assessoria de Secretaria de Saúde alegou que não está orientando as unidades de saúde a cancelarem férias. A medida, segundo a assessoria, pode ser tomada se as unidades de saúde acharem necessário. Sobre a falta de funcionários, não houve resposta

Rotina

Entre os pedidos de respostas encaminhados pela reportagem secretaria de saúde está o questionamento sobre a previsão de quanto o funcionamento dos postos de saúde será alterado por causa do aumento dos casos de dengue. No ano passado, as consultas de rotina eram canceladas, para que os funcionários pudessem se dedicar mais tempo ao combate à dengue. Só urgências e emergências eram atendidas. Outro procedimento adotado foi iniciar imediatamente o tratamento de quem estava com os sintomas da doença, mesmo sem a confirmação.

‘Vice-campeã’

Matéria publicada anteriormente (leia aqui) mostrou que a dengue é uma ameaça real para Campinas. Segundo Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, a cidade teve 1.585 casos de dengue notificados (a serem confirmados) este ano, até o dia 11 de fevereiro. Com isso, de acordo com o documento, é a segunda cidade do País com mais de um milhão de habitantes com mais casos notificados. No boletim, o número de casos notificados de Campinas é superado apenas por Goiânia, com 3.196 registros.

Previous post

CPAT de Campinas está com 250 vagas de emprego abertas

Next post

Vestibulum ante ipsum primis in faucibus orci luctus et

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *