Home»Campinas»Campinas quer usar esgoto tratado direto na rede de distribuição

Campinas quer usar esgoto tratado direto na rede de distribuição

0
Shares
Pinterest Google+

Sanasa fechou acordo com o centro de reúso da USP, que vai estudar a melhor forma de tornar a água potável

Sanasa_2

Após anunciar, em outubro, que seria a primeira cidade do Brasil a usar indiretamente esgoto tratado no abastecimento humano, Campinas,  pretende jogá-lo na rede de distribuição, em vez de misturá-lo ao leito do rio.

Para isso, a Sanasa (empresa de água e esgoto do município) fechou acordo com o Centro Internacional de Referência em Reúso de Água (Cirra), da Universidade de São Paulo (USP), que vai estudar a melhor forma de tratar a água de reúso que sai da estação produtora da companhia e torná-la potável.

“O estudo vai ser sobre qual método e tratamento é adequado para fazer a recarga direto na rede”, diz Marco Antônio dos Santos, diretor técnico da Sanasa. O contrato ainda não foi assinado e o valor não foi divulgado, mas a previsão é de que o estudo fique pronto em seis meses.

Diretor do Cirra e doutor em Engenharia Sanitária pela Universidade da Califórnia e em Saúde Pública pela USP, o professor Ivanildo Hespanhol esteve em Campinas nesta semana e será responsável pelo estudo. Procurado, o Cirra confirmou o acordo, mas disse que Hespanhol não estava disponível nem autorizado a falar sobre o projeto.

Não existe no Brasil legislação para usar a água de reúso tratada no abastecimento humano. “A portaria 2.914 não diz de onde tem de vir a água potável. Diz quais são as características que deve ter, não importa de onde ela venha”, afirma Santos, citando a portaria 2.914/2011, do Ministério da Saúde, que dispõe sobre qualidade da água para consumo humano. “Vamos seguir o padrão da portaria.”

O líquido vai sair da Estação Produtora de Água de Reúso (Epar) Capivari II, que tem capacidade para tratar 360 litros de esgoto doméstico por segundo e transformá-lo em água de reúso não potável, com 99% de pureza, segundo a Sanasa.

Mudança. A ideia inicial era lançar a água produzida pela estação no Rio Capivari e fazer a captação na sequência para, então, tratar o líquido novamente e servi-lo à população. “Vamos pular essa parte e fazer a recarga direto na rede”, diz Santos. “Se jogar a água (de reúso) no rio a gente vai sujá-la, porque a qualidade (da água) é muito pior.”

Campinas passou a buscar soluções para enfrentar a seca após a Sanasa ter dificuldades para abastecer a população em 2014. A companhia capta água direto dos Rios Atibaia e Capivari para abastecer a população de 1,15 milhão de habitantes.

Agência Estado

Previous post

Incentivos para uso da energia solar devem sair até julho

Next post

Volume de chuva no Sistema Cantareira supera valor da média histórica

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *