Home»Cultura»APA Campinas ‘vira’ cidade do interior no filme O Crime da Cabra

APA Campinas ‘vira’ cidade do interior no filme O Crime da Cabra

0
Shares
Pinterest Google+
Atrizes e figurantes durante as filmagens em Sosuas
Atrizes e figurantes durante as filmagens em Sosuas

Sousas, Joaquim Egídio e o bairro rural de Carlos Gomes, que integram a APA (Associação de Proteção Ambiental) Campinas vão ganhar destaque nas telas do cinema. Os cenários bucólicos dessas localidades foram usados pata criar uma cidade fictícia no longa “O Crime da Cabra”, um filme-escola coproduzido pela TAO Produções Artísticas e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A produção faz uma homenagem ao ator e cineasta Amácio Mazzaropi.

A diretora do filme, Ariane Porto, conta que a produção é uma criação coletiva que envolve alunos, professores e funcionários da Unicamp, atores e técnicos de renome nacional e artistas locais. “É uma ponte para que a universidade dialogue com a comunidade de Campinas e região”, afirma. E, dentro dessa proposta de dialogar com a comunidade, a direção usou moradores das regiões onde são realizadas as filmagens como figurantes. Foi assim que o comerciante Antonio de Jesus Antonelli, proprietário do Restaurante Guion, de Sousas, acabou sendo transformado em um dos integrantes de um grupo de jagunços liderados por Zé Boa Morte, interpretado pelo ator Hélcio Henrique. Quem também participa do filme é a atriz e jornalista Delma Medeiros. Ela interpreta a Comadre Maria, uma vendedora ambulante fofoqueira que sabe tudo o que se passa na cidade e espalha para todo mundo. Comadre Maria arma sua barraca em vários pontos e um deles é a delegacia, no caso o prédio da subprefeitura de Sousas. Outro que participa das gravações é o cantor e compositor Doc Miranda, da banda campineira Reggae Spiriti. Ele interpreta um dos músicos de um grupo contratado na Capital, que enfrenta dificuldades absurdas ao tentar chegar à cidade.

_DSC0602
Atores em pausa durante as gravações

 Ambientado no universo caipira de uma fictícia cidade do Interior de São Paulo, o longa utiliza recursos do circo-teatro e faz uma homenagem ao ator e cineasta Amácio Mazzaropi (1912-1981), o maior caipira da história do cinema. “Misturamos o universo lúdico do circo com o imaginário ingênuo das cidades interioranas e das comédias de Mazzaropi para contar a história de uma cabra esperta que cria situações inesperadas e acaba disputada por várias pessoas”, resume Ariane.

Lima Duarte descansa durante pausa entre as filmagens
Lima Duarte descansa durante pausa entre as filmagens

Famosos

O filme, que tem estreia prevista para o primeiro semestre deste ano, contou com nomes famosos. Participaram das gravações artistas como Lima Duarte, Arlete Salles, Luiza Cardoso e Valéria Monteiro.

Previous post

País terá "problema grave" se reservatórios chegarem a 10%, diz ministro

Next post

Ligação entre Bacia do Paraíba do Sul e Cantareira é incluída no PAC

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *