Home»Cultura»Sexualidade e gênero pautam o teatro em 2015

Sexualidade e gênero pautam o teatro em 2015

0
Shares
Pinterest Google+

Temas como prostituição, homofobia, aventuras eróticas, transgêneros e travestis vão ser abordados por diretores

 Hilda Hilst. Escritora e dramaturga paulista ganha ocupação no Itaú Cultural

Hilda Hilst. Escritora e dramaturga paulista ganha ocupação no Itaú Cultural

Se o Congresso eleito neste ano é o mais conservador desde 1964, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, a classe teatral brasileira segue no sentido contrário. Em 2015, os planos dos encenadores sugerem sexualidade e quebra de tabus com assuntos que vão desde o retrato da vida de michês nos grandes centros urbanos a ataques homofóbicos, passando por histórias de transgêneros e travestis.

Com estreia no dia 19 de janeiro no Espaço Beta, do Sesc Consolação, Revide é o primeiro espetáculo da safra a entrar na temática. O texto de F. A. Uchôa mostra um caso fictício, mas muito próximo de situações reais: dois irmãos caminham de mãos dadas pela Avenida Paulista, quando são espancados por um grupo de adolescentes. A partir disso, um desconhecido resolve vingá-los por conta própria. A ideia é gerar uma discussão ampla sobre a violência urbana.

No mês seguinte, o Itaú Cultural monta a Ocupação Hilda Hilst (1930-2004), que não aborda exatamente a carga erótica contida em suas obras, mas a característica perpassa a mostra. “Vamos criar uma exposição totalmente em primeira pessoa”, diz o gerente do núcleo de Audiovisual e Literatura da instituição, Claudiney Ferreira. Além de diversos tipos de manuscritos de Hilda, dois monólogos já conhecidos do público paulistano serão encenados ao longo da ocupação, que vai até abril: A Obscena Senhora D (com direção de Donizeti Mazonas e atuação de Suzan Damasceno) e Osmo (no qual ambos invertem os papéis).

Após abordar o tema gay em Dizer e Não Pedir Segredo, de 2012, o Teatro Kunyn, coletivo criado por artistas como Ronaldo Serruya e Luiz Fernando Marques (diretor do Grupo XIX de Teatro), retoma o assunto na peça Orgia ou De Como os Corpos Podem Substituir as Ideias (o título ainda é provisório). Com estreia prevista para junho, o espetáculo pretende discutir a sexualidade na esfera pública com base na passagem do jornalista e escritor argentino Tulio Carella (1912-1979) por Recife – história registrada no livro Orgia – Os Diários de Tulio Carella, Recife 1960, lançado em 2011. “Soubemos de Tulio pelo Devassos no Paraíso (livro em que João Silvério Trevisan dedica a ele um capítulo)”, diz Marques. “Ele fica à deriva, observa a cidade, conhece as pessoas. O texto tem uma parte íntima e explode para um pensamento, uma reflexão sobre o País.” Para manter essa característica, o processo de criação da peça vai ocorrer em espaços públicos de São Paulo (como o Parque da Luz e o do Ibirapuera) – o que deve se manter quando o trabalho estiver pronto, durante a temporada. Em janeiro, o grupo ministra uma oficina para 15 atores, que podem vir a participar da peça – a seleção ainda está aberta.

Com cinco projetos em andamento, a atriz e diretora Georgette Fadel circula entre Rio e São Paulo para pesquisar a prostituição masculina. Caravelados, que deve estrear em março em alguma das duas cidades, tem base numa pesquisa da década de 1980, sobre a atividade de michê. “A peça revela os desejos recolhidos da sociedade, o cinismo social, o mercado do desejo da carne”, diz Georgette. Também para 2015, a diretora tem, na manga, O Leque de Lady Papapa, com texto de Oscar Wilde e interpretação de Newton Moreno. “A proposta é fazer o espetáculo com transgêneros, travestis, sapatões, drags. Um badauê de atores para desenvolver uma linguagem bem trans.”

Prestes a completar 15 anos, a Companhia Nova de Teatro concretiza uma ideia que surgiu no início de 2014. Após uma temporada em Nova York para encontros com o dramaturgo Richard Foreman, o grupo apresenta, entre junho e julho, o Projeto 2xForeman, com as peças Badboy Nietzsche e Prostitutas Fora de Moda – esta sobre prostitutas “old fashioned” (como diz o diretor Lenerson Polonini), que estão, de alguma maneira, fora do padrão.

Mesmo tendo festejado 25 anos em 2014, Os Satyros devem, agora, voltar à primeira fase do grupo, quando encenaram textos de Marquês de Sade – que deu nome ao “sadismo”. Segundo Rodolfo García Vázquez, um dos diretores do grupo, está prevista uma tetralogia com as peças JustineJulietteOs 120 Dias de Sodoma e A Filosofia na Alcova. Há, ainda, a ideia de fazer Multidão, uma peça performática que se baseia na obra do filósofo americano Michael Hardt para abordar o capitalismo contemporâneo – o que também é, de certa forma, obsceno.

Com informações da Agência Estado

Previous post

Indústria fecha sete vagas por dia em 2014

Next post

Sanasa aumenta tarifa de água em 11,98% a partir de fevereiro

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *