Home»Economia e Finanças»Apesar de redução do IPI, Brasil tem em 2014 maior queda da indústria automotiva em 12 anos

Apesar de redução do IPI, Brasil tem em 2014 maior queda da indústria automotiva em 12 anos

0
Shares
Pinterest Google+
amont
Foto: Divulgação

O aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a partir deste mês provocou uma corrida às lojas fazendo com que dezembro se tornasse o terceiro melhor mês da história da indústria automobilística, com 370 mil veículos licenciados. Apesar do resultado, o ano terminou com queda de 7,1% nas vendas totais, que somaram 3,5 milhões de unidades, incluindo caminhões e ônibus.

Em porcentual, foi a maior queda registrada pela indústria automobilística em 12 anos.

Também foi a segunda redução anual seguida. Em 2013, as vendas já tinham caído 0,9% em relação a 2012, depois de altas consecutivas desde 2004.

Apesar do bom desempenho de dezembro, com resultado 25,6% superior ao de novembro e 4,6% maior que o do mesmo mês de 2013, o setor inicia o novo ano com altos estoques, segundo fontes das empresas, e pressionado pela volta do IPI.

A cobrança integral da alíquota do imposto, que estava reduzido desde maio de 2012, deve ter um impacto médio de 4,5% nos preços dos automóveis, mas, com os estoques altos é possível que o repasse ao consumidor ocorra só a partir do fim do mês ou início de fevereiro.

Na revenda Fiat Amazon, na região oeste de São Paulo, por exemplo, há estoques com o IPI antigo por pelo menos 20 dias.

Melhor resultado em vendas desde agosto de 2012 – quando foram vendidas 420 mil unidades -, o número de dezembro não é indicativo de recuperação do mercado, diz o vice-presidente da Ford América do Sul, Rogelio Golfarb.

“O que ocorreu foi uma antecipação de compras, reforçada pela volta do IPI e promoções das empresas.”

O executivo ressalta que lidar com a volta do IPI será um grande desafio para as fabricantes, mas o setor concorda que, embora duro, o ajuste fiscal que a nova equipe econômica do governo propõe, e que inclui o fim de benefícios fiscais, é necessário.

“Para uma indústria que investe muito pensando no longo prazo, a solidez macroeconômica é fundamental”, diz Golfarb.

A Ford previa um mercado estagnado em 2015, mas está revendo suas projeções e “o viés é de baixa”, informa Golfarb.

Além do IPI maior, ele ressalta outras medidas como alta dos juros e menos aportes no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – que subsidia vendas de caminhões e tratores – como fatores de inibição de vendas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Previous post

Duo Dékada relembra sucessos internacionais dos anos 60, 70 e 80 no Andarilho Bar

Next post

Facebook vai usar novas regras de privacidade e anúncios a partir deste mês

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *