Home»Geral»Reservas do Cantareira despencam 84% em 2014

Reservas do Cantareira despencam 84% em 2014

0
Shares
Pinterest Google+
Represa do Rio Atibainha em Nazaré Paulista
Represa do Rio Atibainha em Nazaré Paulista

As reservas do sistema Cantareira, que hoje abastece 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo e passa pela pior crise hídrica em 84 anos, caíram 84% em 2014.

O valor equivale a 464,6 bilhões de litros de água, 152 bilhões a mais que as capacidades dos sistemas Guarapiranga, Rio Grande, Alto Cotia e Rio Claro juntas.

No Réveillon de 2013, o Cantareira contava com 555,6 bilhões de litros, 43,8% da capacidade do manancial, considerando o volume útil e as duas cotas do volume morto –reserva técnica– disponíveis atualmente.

Agora, a virada do ano no sistema será “a seco”: foram 91,4 bilhões de litros, ou 7,2% de sua capacidade, 0,1 ponto percentual menos que terça-feira (30/12).

O Cantareira chegou a ficar mais de oito meses sem ter aumento no nível de suas reservas. Na véspera de Natal, porém, passou de 6,7% para 7%, após dois dias de chuvas intensas no manancial.

No decorrer de 2014, uma série de medidas foi anunciada pelo governo estadual para tentar contornar a crise hídrica em São Paulo.

Em julho, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) recuou da intenção de sobretaxar quem gasta mais água, mas acabou anunciando em dezembro a cobrança adicional para 31 cidades.

A medida depende de aval da Arsesp (agência estadual de saneamento) e deve ser liberada em janeiro.

Pela proposta, quem tiver um aumento de gasto de até 20% em relação à média de consumo de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014 terá acréscimo de 20% na conta.

Já os que gastarem acima de 20% da sua média terão ônus de 50% na fatura.

Na segunda (29), a Sabesp mostrou que tinha a intenção de poupar grandes comércios e indústrias que têm contrato na modalidade denominada “demanda firme”.

Para que um cliente fosse enquadrado nesse modelo (com tarifas diferenciadas), seria necessário o consumo de 500 m³ ou mais por mês.

Na terça-feira (30), porém, a empresa afirmou que foi decidido que todos os consumidores seriam tratados da mesma maneira.

Folha de SP

Previous post

Energia solar tem levado vantagem sobre eólica

Next post

Reforma do ensino médio será desafio para Cid Gomes na Educação

1 Comment

  1. Tereza Penteado
    janeiro 2, 2015 at 8:50 pm — Responder

    Qual e o plano B? Esvaziar as cidades sem agua?

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *