Home»Distritos Campineiros»Vândalos destroem placas que identificam árvores em trilhas de Sousas e Joaquim Egídio

Vândalos destroem placas que identificam árvores em trilhas de Sousas e Joaquim Egídio

0
Shares
Pinterest Google+

placas feias 2

Vândalos estão destruindo um conjunto de placas que identificam as árvores situadas às margens do antigo corredor férreo que ligava Campinas à Serra das Cabras, nos distritos de Sousas e Joaquim Egídio. Totens com o registro da distância percorrida por quem pedala, corre ou caminha pelo local também sofrem com a depredação. As subprefeituras dos dois distritos já comunicaram o fato aos guardas municipais, que percorrem o corredor de bicicleta nos finais de semana e pedem à população que ajude a fiscalizar o patrimônio público.

O projeto foi iniciado no começo do ano, com a instalação das placas informativas e aparelhos de ginástica para quem pratica esporte nas áreas de lazer, conhecidas como linhas. O trajeto é composto por três trechos, separados pelo Rio Atibaia e pela Rodovia Heitor Penteado. No total, mais de 40 placas foram arrancadas ou danificadas.

O subprefeito de Sousas, Wander Villalba, pediu para a GM (Guarda Municipal) fazer rondas nas trilhas, como também são conhecidos os trechos, todos os dias. O subprefeito pede também ajuda da população na fiscalização. “Todos têm um discurso de valorização e preservação das belezas naturais do distrito, mas é preciso também ajudar a preservar e fiscalizar”, diz Villalba. Ele pede para que a população denuncie na subprefeitura (3258-6158) e serviço telefônico 156 da Prefeitura de Campinas qualquer agressão detectada ao patrimônio público e ao meio ambiente.

O subprefeito de Joaquim Egídio, Marcelo Duarte da Conceição, diz que fez uma campanha de conscientização da população quando a “biblioteca verde” e os aparelhos de ginástica foram instalados no trecho de Joaquim Egídio. Ele disse que pediu recentemente a reposição de placas que desapareceram. As placas que compõem a “biblioteca verde” informam o tipo de árvore, seu nome científico e se é nativa da região ou se foi “importada” de outros locais. 

Previous post

Refis foi prorrogado até dia 5 de dezembro

Next post

Prefeito interino já governa Paulínia

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *