Home»RMC»Exame confirma que jovem morreu por febre maculosa

Exame confirma que jovem morreu por febre maculosa

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Vigilância Epidemiológica e a equipe do Programa de Controle de Vetor vão verificar o local da contaminação do adolescente. 

A capivara é hospedeira do carrapato-estrela que transmite a febre maculosa febre maculosa
A capivara é hospedeira do carrapato-estrela que transmite a febre maculosa febre maculosa

A Vigilância Epidemiológica de Americana confirmou que o adolescente Raul Bonfatti Antoniassi, 16, morador no Jardim Ipiranga, morreu de febre maculosa. A confirmação foi feita ontem, mas a morte havia ocorrido em 13 julho. Com isso, saltou para quatro o número de mortos pela doença, causada pelo carrapato estrela, neste ano no município. Cinco pessoas contraíram a doença desde janeiro. No ano passado, não houve nenhum registro da doença. 
“Os exames chegaram no início desta semana e o resultado foi positivo. A Vigilância Epidemiológica de Americana está investigando os locais onde o rapaz possa ter sido contaminado. Portanto, ainda não há definição do local da contaminação”, informou a prefeitura, em nota. 
O adolescente morreu uma semana depois de passar o dia com os amigos em uma chácara na região da Praia dos Namorados. Dois dias depois, o jovem foi levado ao médico. No dia 12 de julho, foi internado, e, no dia seguinte, morreu após ter convulsões. 

ORIENTAÇÃO 
Este caso, que é o mais recente, ainda está sob investigação das autoridades de Saúde de Americana. Dos quatro casos confirmados no município, três pacientes foram contaminados em outras cidades e um foi infectado em Americana. 
O subsecretário de Saúde, Antonio Donizeti Borges, informou que a Vigilância Epidemiológica e a equipe do Programa de Controle de Vetor vão verificar o local da contaminação do adolescente. 
Ele explicou que existem placas de orientação para as pessoas evitarem locais com possível foco do carrapato estrela. Há placas às margens do Ribeirão Quilombo. Também há concentração de capivaras, hospedeiras do carrapato, nas proximidades do Casarão de Salto Grande. 

SUSPEITAS 
Francisco de Assis Bonfatti, tio de Raul, afirmou que a chácara em que o adolescente esteve não fica perto de nenhum local com água. “A Vigilância já foi até lá, colocou armadilhas, mas nada foi encontrado”, disse. 
“Ainda não temos certeza de onde ele foi picado. Por enquanto, ainda está em aberto essa questão porque sozinho ele não esteve em nenhum lugar. Ele foi a uma casa noturna uma semana antes de os sintomas da doença começarem. Era uma mistura de show de rock com festa junina, tinha bastante gente da família também. A Vigilância falou que a pessoa não percebe a picada, e nunca foi encontrado carrapato no corpo do Raul”, disse o tio. “A própria Vigilância informou que já houve ocorrências de carrapato nessa região.”

Jornal Tododia

Post Anterior

Itatiba recebe Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, que faz exibição gratuita

Próximo Post

Trabalhadores da Unicamp continuam cobrando negociação

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *